18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Espetáculos

3ª Edição do Tribute Summer Fest

Nos dias 19 e 20 de Julho, decorre em Delães, Vila Nova de Famalicão, um dos maiores, senão o maior festival de bandas de tributo, o Summer Tribute Festival.

 

O seu mentor, António Lobo, é uma pessoa muito ativa em “por Delães no mapa”, ou seja a quantidade de eventos que organiza nesta pequena vila, em que vêm pessoas de todo o país e alguns também do estrangeiro, este dinamizador para além do Summer Tribute Festival, promove estágios, encontros, treinos interescolares de Artes Marciais de várias disciplinas sendo uma das mais relevante o desporto de combate Kickboxing. Ainda há um mês realizou o 4º Taikai Ibérico com 400 participantes portugueses e espanhóis. É um Mestre de referência em várias modalidades de Desportos de combate e também de Fitness. A auxiliar tem uma sólida equipa, os "Strong Wolfs".

 

Vamos dar a palavra a António Lobo que nos vai introduzir como tudo começou, as novidades deste ano e o que idealiza para o futuro do Summer Tribute Festival:

O Summer Tribute nasce de uma ideia. Eu  sou muito fã de música e pensei em criar um festival na minha Terra. Vivo numa aldeia de nome Delães, no Concelho de Famalicão. É uma aldeia que não tem muitos habitantes, uma espécie de uma pequena Vila. Eu via festivais a acontecer noutros sítios e coisas novas a acontecer e um dia pensei em fazer um Festival de Verão na minha Terra. Como vejo muito bandas de tributo e sou fá nesse formato, pensei em organizar um festival só com bandas de tributo e então nasce o nosso nome de Summer Tribute Festival e é realizado no Verão. Fiz o primeiro a bastante Modesto, só com uma banda a com um tributo aos  Queen com uma banda do Porto “A Kind of Queen”. Teve muita afluência, as pessoas gostaram muito e de seguida optei a arranjar um espaço maior num terreno chamado o Campo das Festas, e então fez fiz o ano. Esta segunda edição do Summer Tribute Festival tributo já foi com um tributo muito forte, talvez o mais forte a nível nacional, que contou com os Simple the Best com contributo à Tina Turner e com os Dá Cá de tributo a AC/DC. Foram duas bandas num dia um foi foi espetacular e o feedback foi óptimo, mas a ideia do Summer Tribute Festival era era ser pelo menos sempre 2 dias. Então este ano é o primeiro ano que que que é 2 dias e 3 bandas. Será mais ou menos este formato que eu pretendo com os dois dias, o que não quer dizer que não possa ir para 4 bandas e 2 dias. Este ano vai ser sexta-feira com Tributo aos Linkin Park com os Hybrid Park.

 

No Sábado, também temos aqui um conceito diferente deste ano, é juntar o Grupo das Motas ao festival,  fazendo assim uma parceria com os Grupos Motards para ser uma espécie de Góis em ponto em que eu inclusive já lá estive eu gostei em que durante o dia havia a concentração de motas e à noite e concertos. É um mini Goes, digamos assim, é inspirado nisso este ano.

O programa será já na sexta-feira, os Hybrid Park,  no sábado à tarde, a partir das 14 horas, vários grupos motards estarão aqui dentro do recinto, com com as atividades que eles fazem os jogos, aquelas coisas todas e à noite, a tributo aos Scorpions com a Banda Scorpius e fecho da meia-noite para as duas com os Rammwerk de tributo a Ramstein. Portanto, será esta a lógica que eu pretendo do Summer Tribute Festival e trazer aqui as melhores bandas de tributos do país.

 

Para o ano já agendei com as bandas, porque eu gosto de fazer isto com muito tempo.  Para 2025 já tenho na sexta-feira, dia 18, a de Julho, também porque houve o Summer Tribute Festival (foi sempre no mês de Julho) o tributo a James na sexta-feira. No sábado, temos um tributo muito forte ou dois tributos muito fortes, que é o tributo a Elton John e, para fecho o tributo a Bon Jovi.

 

Quanto aos Grupos Motards, em parceria com o Nuno, será de igual forma esta parceria com as motas Sábado, 19 pela tarde.»

 

Este visionário produtor de eventos está a construir um festival de bandas de tributo, numa terra relativamente pequena, mas enche com os seus eventos. O festival tem vindo a ter novidades de ano para ano, não dá um passo em falso, uma inovação de cada vez para conseguir que os espectadores desfrutem de um bom momento musical com bandas a interpretar temas das bandas originais, algumas delas até já não estão entre nós.

 

Texto: Pedro  MF Mestre

Concerto Solidário Refood - Cascais Refado e Tributo a Camões

 

Fotos de Pedro MF Mestre

 

 

90ª edição das Marchas Populares de Lisboa 2024

 

 

Terceira e última noite das Marchas Populares no MEO Arena. Cada bairro apresentou o tema da sua marcha, assim como um tema comum e obrigatório, que este ano é “O Tejo Afinal”.

 

Agora, a grande festa da marcha irá ocorrer na noite de 12 de junho, onde os bairros vão desfilar na Avenida da Liberdade.

 

 

Por ordem de exibição:

 

- Marcha Santa Casa

      Tema: Santa Casa de mãos dadas com a cidade

      Madrinha: Liliana Santos

      Padrinho: Pedro Crispim

 

- Marcha dos Olivais

      Tema: Olivais, o pão de cada dia

      Madrinha: Sara Norte

      Padrinho: Paulo Batista

 

- Marcha da Bica

      Tema: Há festa na Bica

      Madrinha: Débora Monteiro

      Padrinho: Bruno Madeira

 

- Marcha de Carnide

      Tema: Nas pedras da tua rua deixei o meu coração

      Madrinha: Margarida Antunes

      Padrinho: Nuno Nolasco

 

- Marcha da Mouraria

      Tema: O meu coração é teu

      Madrinha: Ana Garcia Martins

      Padrinho: Bruno Cabrerizo

 

- Marcha de São Vicente

      Tema: São Vicente, o padroeiro

      Madrinha: Gabriela Barros

      Padrinho: Jorge Mourato

 

- Marcha da Madragoa

      Tema: O meu coração é teu

      Madrinha: Ana Garcia Martins

      Padrinho: Bruno Cabrerizo

 

 

Texto e Fotos: Zé Gaspar

 

clique nas imagens para visualizar as fotorreportagens

 

 

 
 

90ª edição das Marchas Populares de Lisboa 2024

 

As Marchas Populares de Lisboa, reconhecidas como uma celebração festiva e bairrista de importância extraordinária, são caracterizadas pela dança em desfile, acompanhada por música, poesia e canto.

 

A tradição remonta à alta Idade Média, evoluindo a partir dos arraiais juninos tradicionais até se estruturar na forma que conhecemos hoje. Criatividade inovadora, exuberância e alegria estão presentes nas Marchas Populares de Lisboa, representando um traço profundamente marcante da cultura popular da cidade.

 

Assim, continuou a 2.ª noite com a apresentação de mais marchas, por ordem de exibição:

 

- Marcha dos Mercados:

      Tema: Vendem-se frutas e nascem romances: os Mercados nas ruas de Lisboa

      Madrinha: Sílvia Sousa

      Padrinho: João de Carvalho

 

- Marcha do Lumiar

      Tema: Andam corvos em Lisboa!

      Madrinha: Bruna Gomes

      Padrinho: Flávio Furtado

 

- Marcha do Bairro Alto

      Tema: A luz do meu Bairro

      Madrinha: Sónia Brazão

 

- Marcha de Belém

      Tema: Lisboa dos mexericos

      Madrinha: Joana Franco

      Padrinho: Gonçalo Salgueiro

 

- Marcha da Bela Flor-Campolide

      Tema: Lavadeiras e moleiros

      Madrinha: Marta Gil

      Padrinho: Idevor Mendonça

 

- Marcha de Santa Engrácia

      Tema: A tua calçada é o meu bordado

      Madrinha: Merche Romero

      Padrinho: Francisco Monteiro

 

- Marcha do Bairro da Boavista

      Tema: Rainhas e calceteiros com ar de namoradeiros

      Madrinha: Mané Ribeiro

      Padrinho: Ricardo Raposo

 

- Marcha da Graça

      Tema: A Graça veste-se de azulejo e filigrana

      Madrinha: Catarina Siqueira

      Padrinho: Quimbé

 

 

Texto e Fotos: Zé Gaspar

 

clique nas imagens para visualizar as fotorreportagens

 

 

 
 

90ª edição das Marchas Populares de Lisboa 2024

 

Integradas nas Festas de Lisboa, as Marchas Populares têm o seu ponto de partida na apresentação das festividades. As exibições das Marchas Populares começaram nesta sexta-feira, dia 31, com a apresentação de oito marchas. Vão ainda desfilar perante o público durante mais duas noites no MEO Arena, a partir das 21h00, mostrando os figurinos, as músicas e as coreografias.

 

As Marchas Populares de Lisboa, uma das festas populares mais emblemáticas da cidade, estão agora em processo de inclusão na Lista do Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. Esta candidatura é promovida pela Associação das Coletividades do Concelho de Lisboa (ACCL) e conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.

 

 

Por ordem de exibição:

 

- Marcha Infantil “A Voz do Operário”

      Tema: 50 anos do 25 de Abril

      Madrinha: Benedita Pereira

      Padrinho: Hélder Afonso

 

- Marcha de Marvila

      Tema: Nas asas do presságio, Marvila relembra a tradição!

      Madrinha: Luciana Abreu

      Padrinho: Matay

 

- Marcha da Baixa

      Tema: Um lugar, um mercado, uma praça…

      Madrinha: Zulmira Garrido

      Padrinho: Hugo Mendes

 

- Marcha de Alfama

      Tema: Meu amor marinheiro

      Madrinha: Raquel Tavares

      Padrinho: João Baião

 

- Marcha de Alcântara

      Tema: Por mais que corra a tinta, Alcântara é o bairro com mais pinta

      Madrinha: Ana Sofia Cardoso

      Padrinho: Pedro Granger

 

- Marcha da Penha de França

      Tema: Amor e uma taverna

      Madrinha: Salomé Caldeira

      Padrinho: Rui Andrade

 

- Marcha do Alto do Pina

      Tema: Fomos nós os pioneiros

      Madrinha: Teresa Guilherme

      Padrinho: António Camelier

 

- Marcha do Castelo

      Tema: Noites mouras no Castelo

      Madrinha: Joana Machado Madeira

      Padrinho: Zé Lopes

 

 

Texto e Fotos: Zé Gaspar

 

clique nas imagens para visualizar as fotorreportagens

 

 

 
 

Concerto no Casino Estoril - Russ Ballard e Brian Spence

 

Em noite festiva de Rock, Russ Ballard e Brian Spence esgotaram a Sala do Salão Preto e Prata do Casino Estoril. Estima-se que estivessem 1500 fãs destes dois artistas britânicos.

 

Russ Ballard com os seus 81 anos entra em primeiro lugar e toca temas do seu vasto repertório tais como: “It’s only Money”, “New York Groove”, “Playing with the fire”, “Dream on”, “In the Night”, “The Fire Still Burns”, “Liar”, “A Woman like you”, “Rene Didn’t do it”, “Since you been gone”, “Voices”, “Two Silhouettes”, “I can’t hear you no more”, “It’s too late” e “God gave Rock and Roll to you”.

 

De seguida Brian Spence, com a sala já bem quente com os temas de Russ Ballard, este artista também britânico, trouxe a este palco do Casino Estoril também temas do seu repertório, tais como: “Reputation”, “Back Door”, “Love is all then Glory”, “Ghandi”, “Brothers”, “Come back home”, “I Still don’t Know”, “Foreign land”, “Never tears us apart”, “I was a Zombie”, “I will call you family”, “Never be my friend” e para o encore foram escolhidos os temas: “Rebel Yell” e “Hear it from the Heart”.

 

Assim viveu-se nesta noite um revival do Rock dos anos 80, muito conhecido pelas gerações dos espectadores.

 

Tanto Russ Ballard como Brian Spence mesmo com a idade que têm, deram um excelente espectáculo com as bandas em palco, tendo uma dinâmica muito mexida.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

Russ Ballard

 

Brian Spence

 

 

 

Joana Alfaiate em concerto único no LoungeD do Casino Estoril

 

Joana Alfaiate protagonizou em mais uma noite de espectáculo na passada 6ª Feira dia 26 de Maio, no LoungeD do Casino Estoril.

 

Esta artista dá voz a variados temas, num repertório muito diversificado, tais como: “Glorybox”, “Sunday Morning”, No ordinary love”, “Billie Jean”, “Never tear us apart”, “Come together”, “Mistify”, “Sweet Dreams”, “You gotta be”, “Foram cardos, foram prosas”, “Creep”, “I Want to know what love is”, “Wicked game”, “Bad case of loving you”, “Ouvi dizer”, “Smooth Operator”, “Because the night”, “Love on the Brain”, “Keep the faith”, “Purple rain”, “The way you make me feel”, “Freed from desire”, “Get lucky”, “You can leave your hat on”, “Valerie”, “Rosa sangue” terminando com “November rain”.

 

Acompanhada pela banda residente do LoungeD do Casino Estoril, composta por João Serra Fernandes no baixo e direcção musical, Pedro Polónio no piano, Emanuel Barlows na bateria com a produção de Leonor Fernandes.

 

Este novo formato está dividido em duas partes de uma hora cada uma (21h30-22h30 e 23:00-00:00).

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

 

 

Feliz Aniversário com João Baião no Salão Preto e Prata do Casino Estoril

 

O Salão Preto e Prata do Casino Estoril, recebeu nas noites de 26 e 27 de Abril a peça “Feliz Aniversário” protagonizada por João Baião e um elenco composto por Cristina Oliveira, Fernando Gomes, Heitor Lourenço, Bruna Andrade e Joana França.

 

Esta comédia é adaptada da peça de Marc Camoletti, um Best-seller de bilheteira nos anos em que esteve em Londres no West End, como na Broadway em Nova Iorque.

 

O enredo baseia-se nas trocas de planos de cima da hora, da mulher de Bernardo, que como sabia que ia estar o fim de semana sozinho, convida a amante para ir ter com ele à casa de campo. Entretanto a mulher cancela os planos, aparece o seu amigo de longa data que o ajuda a improvisar um romance para distrair as atenções da mulher de Bernardo, baralha a cozinheira com a amante, ou seja um grande misto de emoção durante duas horas a ver onde algo poderia falhar e comprometer a “Festa de Aniversário”.

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

 

“A Noite”, de José Saramago, no Casino Estoril

 

O Salão Preto e Prata do Casino Estoril, teve uma série de quatro espectáculos baseados em “A Noite” de José Saramago, a 24 e 25 de Abril.
 
Inicialmente estava prevista uma sessão na noite de 24 de abril e outra na tarde de dia 25, contudo abriu-se espaço para mais duas actuações. A primeira dedicada às escolas, com muito boa adesão e a última derivado à elevada procura de bilheteira para poder assistir a um espectáculo deste género pela Yellow Star Company, com a encenação e adaptação de Paulo Sousa Costa e a assistência de encenação de Luís Pacheco pôs-se em palco “A Noite” contando com um elenco de luxo: Diogo Morgado (Manuel Torres, redator da província), Jorge Corrula (Jerónimo, chefe da tipografia), João Didelet (Máximo Redondo, Diretor da redação), Luís Pacheco (Valadares, chefe da redação), Elsa Galvão (Esmeralda, secretária da redação), Ricardo de Sá (Pinto, redator desportivo), Henrique de Carvalho (Fonseca, redator parlamentar), Sara Cecília (Cláudia, estagiária da redação), João Redondo (Faustino, contínuo).
 
Toda a intriga passa-se na redacção de um Jornal lisboeta na noite de 24 de Abril de 1974. Redacção essa, politicamente muito multidisciplinar. O director e o chefe de redacção pertencentes a uma facção do regime, os jornalistas estavam divididos cada um para seu lado, em que os mais novos adeptos da revolução. Os operários da oficina tinham uma maior tendência para a revolução.
 
O concelho não queria deixar sair a edição do jornal para a rua nesse dia fomentando discórdia pelos operários na oficina.
 
O tema aquece entre direcção, oficina, conflitos de ideias entre jornalistas, e entretanto… dá-se a revolução!

 

Texto e Fotos: Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

 

Concerto Solidário Refood com a Banda SIRJM com "Músicas do Mundo"

 

Na tarde de domingo de 14 de Abril, decorreu no Auditório Carlos Avilez no Estoril, um Concerto Solidário a favor dos beneficiários da Refood Cascais.

 

Na apresentação antes de se iniciar o espectáculo, Isabel Blanco Ferreira, para além dos agradecimentos às entidades que apoiam a causa da Refood Cascais e aos seus voluntários, enquadra que este núcleo tem vindo a crescer, não só de voluntários, mas também de beneficiários. Neste momento a sua acção decorre nas freguesias de Cascais-Estoril e Alcabideche. Fornecem refeição completa a mais de 100 famílias, num total de mais de 230 pessoas, das quais 45 são crianças e a previsão é que o número aumente mensalmente.

 

Este concerto esteve a cargo da Banda da Sociedade de Instrução e Recreio de Janes e Malveira. A direcção da orquestra esteve a cargo do conhecido e conceituado Maestro Carlos Medinas que escolheu “As músicas do Mundo” para oferecer aos espectadores uma viagem à volta do mundo em termos musicais. A orquestração e os temas foram exemplarmente escolhidos. Um dos temas contou com a actuação em palco de José Ribeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Alcabideche, também ele músico, em que trouxe o seu acordeão para interpretar um tema sul-americano.

 

A sala esteve composta, embora com alguns lugares livres, mas o público em geral aderiu ao convite desta causa solidária.

 

Texto: Pedro MF Mestre

Fotos: Alexandre Rosado Albuquerque

            Pedro MF Mestre

 

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

Alexandre Rosado Albuquerque

 

Pedro MF Mestre

 

 

Gala Terra Quente Transmontana com Concerto de Tony Carreira no Casino Estoril

 

A Gala “Terra Quente Transmontana” decorreu a 12 de Abril no Salão Preto e Prata do Casino Estoril.

 

A receita obtida neste evento é a favor da Associação Sara Carreira, que apoia jovens talentos que por dificuldades financeiras se perderiam. De momento estão a apoiar 41 bolseiros e entraram para o grupo recentemente mais 11 jovens. Seis dos quais estiveram em palco. Para alguns deles, a associação cobre também os custos de alimentação e alojamento.

 

O evento teve a produção da Desteque, com a recepção dos convidados no Foyer do Casino Estoril, passando pela a degustação da gastronomia trasmontana a cargo dos chefs Justa Nobre e António Bóia.

 

Um pouco antes das 22h00 os espectadores entram no Salão Preto e Prata e a acção começa o em palco, com a apresentação a cargo de Mónica Jardim, em que nos primeiros momentos os tradicionais Caretos de Podence percorreram a sala a tentar meter medo aos mais sensíveis com as suas brincadeiras típicas regionais, parando a actuação já no palco.

 

O momento passa a ser mais sério, em que Mónica Jardim chama ao palco Fernanda Antunes (presidente da associação Sara Carreira) e Anabela Fonseca sua directora excutiva que relembraram aos presentes a missão e actividades a decorrer na Associação.

 

Logo de seguida Tony Carreira anima a noite com um concerto dedicado à sala cheia de fãs, ainda teve como convidados em palco uma orquestra de cordas da escola de Mirandela, Esproarte (Escola Profissional de Arte de Mirandela) e foi também entronizado em palco pela Confraria da Alheira de Mirandela, recebendo o capote, tornando-se ali, seu confrade.

 

No concerto em si Tony Carreira, revisita dos temas mais solicitados pelo seu público, tais como “Minha Lisboa”, Canção de Menino”, Eu sim ti”, “A minha guitarra” entre muitos outros sucessos deste artista.

 

Tony Carreira menciona que esta Gala Solidária, todos os envolvidos deram do seu trabalho pro-bono, ou seja oferecido a esta causa.

 

No final, uma grande ovação da parte do público a um espectáculo de Tony Carreira, um pouco diferente, não centrado somente na parte musical, mas com outros elementos temáticos que compuseram a Gala “Terra Quente Transmontana”.

 

Texto: Vera Brás

Fotos: Pedro MF Mestre

clique na imagem para visualizar a fotorreportagem

 

 

Periodicidade Diária

segunda-feira, 22 de julho de 2024 – 01:32:58

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...