18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Um festival de música, teatro e cinema com a democracia em pano de fundo

 
Um concerto de Anthony Joseph, uma peça de teatro com instituições de 4 países dos Balcãs e um debate com o Presidente da Câmara de Aveiro sobre o futuro da Europa são alguns dos destaques desta iniciativa, com curadoria do encenador bósnio Haris Pašović e que integra Aveiro 2024 – Capital Portuguesa da Cultura.
 
De 14 a 16 de junho realiza-se a primeira edição do New Deal of Arts and Democracy, um festival com música, teatro e cinema, que pretende abordar o papel das artes na construção de uma Europa livre, participativa e inclusiva, com a participação de artistas, de criadores, de pensadores e do público.
 
A iniciativa, organizada no âmbito de Aveiro 2024 – Capital Portuguesa da Cultura, tem curadoria do bósnio Haris Pašović – um dos mais aclamados encenadores de teatro da Europa de Leste e que trabalhou com Susan Sontag durante a Guerra da Bósnia – e do Teatro Aveirense. Com uma forte componente internacional, New Deal of Arts and Democracy analisa a consciência cultural dos europeus e o que significa pensar e agir politicamente nos dias de hoje, sublinhando o papel do setor cultural nestas dinâmicas.
 
No primeiro dia da iniciativa, 14 de junho, às 21h30, haverá uma atuação de Anthony Joseph. Um dos mais notáveis autores da atualidade, com uma obra que estende pela música e a literatura, apresenta-se em Aveiro com um concerto entre jazz, spoken word, funk, calipso e outras geografias sonoras, sempre com uma vertente política e social bem presente.
 
Outro dos destaques é a peça “The World of Possibilities”, de Haris Pašović, coproduzida por quatro instituições da Bósnia e Herzegovina, Croácia, Montenegro e Sérvia para abordar a vida (e inclusão) das pessoas com deficiência, as suas famílias e os seus terapeutas. Uma reflexão sobre a democracia a partir de um ângulo inesperado, interrogando o alcance da participação cívica. A apresentação está marcada para dia 15 de junho, às 21h30.
 
A 16 de junho sobe ao palco, às 21h30, o espetáculo “A Noite”, de José Saramago, pelo Grupo de Teatro de Jornalistas do Norte. O texto original decorre na redação de um jornal na madrugada do 25 de Abril. Nesta versão, encenada por Jorge Louraço Figueira e Leonor Wellenkamp Carretas, interroga-se a própria sobrevivência do jornalismo, trazendo para a atualidade as questões levantadas em 1979 por José Saramago.
 
Presidente da Câmara de Aveiro participa em conversa sobre futuro da Europa
 
O New Deal of Arts and Democracy contará ainda com vários momentos de conversa, no Teatro Aveirense, o primeiro dos quais no dia 14, às 18h00, com o Presidente da Câmara Municipal de Aveiro, José Ribau Esteves, e a jornalista Estela Machado, do Porto Canal, sobre o futuro da Europa, no rescaldo das eleições europeias.
 
No dia seguinte, à mesma hora, Haris Pašović junta-se a Kathrin Deventer (Secretária-Geral da European Festivals Association), Amber Massie Blomfield (produtora, consultora e autora do livro “Acts of Resistance – The Power of Art to Create a Better World”) e José Pina (Coordenador de Aveiro 2024 – Capital Portuguesa da Cultura e diretor do Teatro Aveirense) para uma discussão sobre o papel da arte na construção de uma sociedade democrática.
 
Por fim, no dia 16, a atriz e encenadora Sara Barros Leitão, o encenador Jorge Louraço Figueira e Jorge Andrade, diretor da companhia Mala Voadora, juntam-se para conversar sobre a liberdade e os seus desafios nos dias de hoje. Um encontro que será moderado pela jornalista Aline Flor.
 
Entre as outras atividades do New Deal of Arts and Democracy conta-se ainda a estreia do filme “Take5* Brussels”, o primeiro de uma série centrada em encontros entre 5 artistas e 2 convidados que se conhecem pela primeira vez para falar sobre a Europa, os festivais, as artes e o seu papel na sociedade. Uma troca de opiniões gravada em diferentes cidades pelo realizador Stefan Arsenijevic. A sessão terá lugar a 15 de junho, às 16h00, no auditório da VIC // Aveiro Arts House, outrora uma sala de cinema clandestina onde eram exibidos filmes proibidos pela censura.
 
Consulte abaixo o programa do New Deal of Arts and Democracy e mais informações sobre Haris Pašović e outros artistas e espetáculos.
 
Para mais informações sobre a programação de Aveiro 2024: https://www.aveiro2024.pt/pt/programa/
 
PROGRAMA NEW DEAL OF ARTS AND DEMOCRACY
Programa:
14 de junho 
18h00: Europa Hoje - No rescaldo das eleições europeias, uma conversa com José Ribau Esteves, com moderação da jornalista Estela Machado, do Porto Canal.
21h30: Anthony Joseph - concerto no Teatro Aveirense do artista britânico com uma obra multidisciplinar, notória pela sua forte consciência política e social.
 
15 de junho 
11h00: O Exercício da Liberdade – Visita guiada à exposição “O Exercício da Liberdade – Obras da Coleção de Serralves”, no Museu de Aveiro/Santa Joana, com obras de artistas como Alfredo Jaar, Cildo Meireles, Guerrilla Girls, Joseph Beuys, Luc Tuymans e Yoko Ono, entre muitos outros.
15h00: Take5* Brussels - Take5* é uma série de filmes centrada em encontros entre 5 artistas e 2 convidados que se conhecem pela primeira vez para falar sobre a Europa, os festivais, as artes e o seu papel na sociedade. Uma troca de opiniões gravada em diferentes cidades pelo realizador Stefan Arsenijevic. Uma sessão que terá lugar na VIC // Aveiro Arts House, naquele que foi outrora um cinema clandestino onde eram exibidos filmes proibidos pela censura, propriedade do artista aveirense Vasco Branco (1919-2014), hoje um dinâmico polo cultural de Aveiro.
 
18h00: Arte, Democracia e Europa - Conversa no Teatro Aveirense com Kathrin Deventer (Secretária-Geral da European Festivals Association), Amber Massie Bloomfield (produtora, consultora e autora do livro “Acts of Resistance – The Power of Art to Create a Better World”), Haris Pašović (encenador bósnio e curador do New Deal of Arts and Democracy) e José Pina (coordenador de Aveiro 2024 – Capital Portuguesa da Cultura).
 
21h30: The World of Possibilities – Espetáculo de teatro encenado por Haris Pašović e coproduzido por instituições de quatro países dos balcãs (Bosnia e Herzegovina; Croácia, Montenegro e Sérvia), abordando os desafios das pessoas com deficiência e sua inclusão. Será apresentado na Sala Principal do Teatro Aveirense.
 
16 de junho 
11h00: Aveiro, Liberdade e Democracia - Visita guiada a locais e monumentos que ilustram o papel secular de Aveiro na construção de uma sociedade mais democrática e aberta à Europa
18h00: Liberdade, com letra maiúscula – Conversa no Teatro Aveirense que aborda o caminho da liberdade no pós-25 de Abril e as ameaças que a podem ensombrar, com um painel de convidados do mundo da cultura e do jornalismo: a encenadora e atriz Sara Barros Leitão; Jorge Andrade, diretor da companhia Mala Voadora; o encenador Jorge Louraço Figueira e moderação da jornalista Aline Flor.
21h30: A Noite – Espetáculo de teatro baseado na obra homónima de José Saramago, relatando a madrugada do 25 de Abril na redação de um jornal, pelo Grupo de Jornalistas do Norte. Encenação de Leonor Wellenkamp Carretas e Jorge Louraço Figueira. Na Sala Principal do Teatro Aveirense.
 
Sinopses:
Haris Pašović
Haris Pašović é um dos mais aclamados encenadores de teatro da Europa de Leste. O seu nome começou a afirmar-se no final dos anos 80, com uma produção marcante de “O Despertar da Primavera” de Frank Wedekind, em Belgrado. Quando Sarajevo foi cercada, durante a Guerra da Bósnia, regressou à sua cidade e aí permaneceu ativo durante todo esse período, encenando peças e organizando o primeiro Festival de Cinema de Sarajevo, que teve por tema “Além do Fim do Mundo”. Nessa altura, produziu o lendário “À Espera de Godot”, encenado por Susan Sontag.
 
Dirigiu alguns dos teatros mais importantes da ex-Jugoslávia e as suas produções têm levado à cena textos tão fundamentais como “Ubu Roi”, de Alfred Jarry, “Marat/Sade”, de Peter Wiess, “Hamlet”, de Luis Buñuel, “A Conquista da Felicidade”, de Bertrand Russell, entre outros exemplos, sempre com uma perspetiva inovadora e, muitas vezes, em grande escala.
 
Entre as peças escritas por si, contam-se “Rebellion at the National Theatre”, “Ulysses”, “Silk drums”, “Bolero, Sarajevo,” “Football, Football,” “What Would You Give Your Life For??”, “Uncovering a Woman” e “The World of Possibilities”.
 
No cinema, realizou vários documentários, incluindo “Greta”, uma história sobre Greta Ferušić, que sobreviveu ao campo de extermínio de Auschwitz e ao Cerco de Sarajevo, “National Geography”, sobre pessoas desaparecidas no genocídio de Srebrenica. Em abril de 2012, o seu “Sarajevo Red Line” homenageou aqueles que foram mortos no cerco à cidade através de um concerto e uma instalação artística composta por 11.541 cadeiras vermelhas, uma por cada vítima, colocadas na artéria principal de Sarajevo.
 
É diretor do East West Center Sarajevo e professor de direção de teatro e cinema na Academia de Artes Performativas de Sarajevo. O seu ensaio “Divine Uncertainty and Fall of Nationalism” abriu a série televisiva “The Great War”, da BBC.
 
Ao longo dos anos, Haris Pašović tem recebido diversos prémios, incluindo o de Melhor Encenador no Festival Internacional de Teatro BITEF de Belgrado, Melhor Encenador Jugoslavo no Prémio UCHIMURA, Melhor Encenador no MES International Theatre Festival e Melhor Encenador no Festival de Teatro da Bósnia, entre outros. Vários dos seus espetáculos, bem como os respetivos atores e artistas, receberam igualmente vários prémios.
 
Anthony Joseph
Como músico, Anthony Joseph lançou oito álbuns aclamados pela crítica e, em 2020, recebeu o prémio da Paul Hamlyn Foundation Composers. No seu trabalho alia jazz, spoken word, funk, calipso e várias outras geografias sonoras, que o têm afirmado como uma figura única no panorama atual. Uma faceta que anda a par da sua carreira literária, com cinco obras de poesia e três romances publicados, tendo vencido o prestigiado T.S. Eliot Prize for Poetry em 2022, entre outros prémios. Em todas as vertentes há uma forte consciência política e social, com tanto de assertivo como de emotivo, misturando as suas raízes caribenhas e a tradição lírica britânica. É membro da Royal Society of Literature e professor de escrita criativa no Kings College, em Londres. 
 
The World of Possibilities
De Haris Pašović
Quanto é possível amar? Há limites para o amor?
Somos todos pessoas empáticas? A empatia é infinita?
O que fazer quando não se consegue evitar uma realidade desafiadora?
Quais são os limites da paciência?
A solidariedade faz algum sentido?
O que é a graça?
Estas questões fazem parte do universo pessoal de cada um de nós. É o nosso pensamento mais íntimo, uma conversa que estabelecemos com nós próprios. “The World of Possibilities” é um espetáculo teatral sobre pessoas com deficiência, as suas famílias e os seus terapeutas. É o retrato da incrível capacidade de as pessoas amarem e fazerem sacrifícios. É também um mundo de muitos desafios e, por vezes, de resultados trágicos. Um mundo em que o sentido da vida se revela da forma mais forte possível.
 
“The World of Possibilities” segue um conjunto de personagens em circunstâncias extraordinárias, causadas por paralisia cerebral e autismo. As histórias que se desenrolam diante de nós são incríveis. Fazem-nos refletir sobre a vida a partir de um discurso novo, surpreendente e emocionante.
 
A Noite
De José Saramago pelo Grupo de Teatro de Jornalistas do Norte
 
Um espetáculo em torno da peça “A Noite”, de José Saramago, por jornalistas profissionais. Tudo acontece na redação de um jornal, na madrugada do 25 de Abril, quando os jornalistas são confrontados com o rumor da revolução. Seria uma oportunidade de refletir — em carne e osso — sobre o futuro do jornalismo. Porém, surgiu um novo rumor: o de que o próprio jornalismo teria morrido. É a tentativa de confirmar (ou desmentir) esse rumor que as pessoas verão nesta Noite.
 

Periodicidade Diária

terça-feira, 23 de julho de 2024 – 09:58:43

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...