18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

A Humanidade dançou, (re)ligou-se e celebrou na edição do GUIdance

13ª edição do Festival Internacional de Dança Contemporânea realizou-se em diversos espaços de Guimarães entre 1 e 10 de fevereiro
 
A Humanidade dançou, (re)ligou-se e celebrou na edição do GUIdance com maior envolvimento desde 2012
 
Guidance 2024_“UniVerse: A Dark Crystal Odyssey”, Company Wayne McGregor © Paulo Pacheco
 
O Festival Internacional de Dança Contemporânea que há 13 anos nos convoca para nos relacionarmos, para explorar novas formas e visões artísticas do mundo e a potência dos diversos corpos, atingiu na edição de 2024 – decorrida de 1 a 10 de fevereiro, em vários palcos de Guimarães – o maior envolvimento de público desde 2012, ano que esta cidade se assumiu como Capital Europeia da Cultura, sendo esta a primeira edição a aproximar-se dos números de participação desse ano singular.
 
Assim foi vivida a 13ª edição do GUIdance que nos pôs em contacto com as origens e as influências internacionalmente mais ampliadas de sempre, proporcionando-nos a fruição de 10 espetáculos de criadores como Victor Hugo Pontes, Panaibra Gabriel Canda, Gio Lourenço, Wayne McGregor, Beatriz Valentim, Piny, Gaya de Medeiros, Yeu-Kwn Wang (Shimmering Production), Diana Niepce, Ljuzem Madiljin e Baru Madiljin (Tjimur Dance Theatre), apresentados em palcos da cidade de Guimarães como o Centro Cultural Vila Flor (CCVF), o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e o Teatro Jordão (TJ), envoltos pela vibração do público que retribuiu em pleno todo o entusiasmo e inspiração das propostas artísticas. 
 
Para além dos espetáculos, o entusiasmo e a envolvência foram igualmente expressivos e fortalecidos nas várias atividades dirigidas à comunidade e que ofereceram uma maior e mais descontraída proximidade do público com os artistas (uma continuada missão deste festival) em momentos como as conversas pós-espetáculo (Talks) em contacto com criadores e companhias que se apresentaram nesta edição; debates moderados por Claudia Galhós com o mote “O futuro é plural. Na arte como no mundo.”; visitas às escolas de Guimarães com artistas que fizeram parte do programa do festival; ensaio aberto do espetáculo “Bantu” para escolas de dança; uma oficina para crianças e famílias; masterclasses orientadas pela companhia de Wayne McGregor e pela Tjimur Dance Theatre – que resultaram numa experiência única de trabalho criativo que permitiu a bailarinos/as e alunos/as de dança de nível avançado um contacto privilegiado com alguns dos mais conceituados criadores internacionais da dança contemporânea; sessões de cinema em colaboração com o Cineclube de Guimarães e, ainda, uma atividade que deu continuidade à iniciativa “Bailar em Casa” da Casa da Memória, surgindo neste âmbito também no formato complementar “Bailar Fora de Casa” que teve lugar no Grupo Recreativo 20 Arautos de D. Afonso Henriques. 
 
Assim foi esta viagem em contacto com diversas culturas e identidades, numa edição que nos (re)ligou, tornou próximo o longínquo trazendo o mundo para o palco, vivida ao longo de uma experiência sensorial, imersiva e transformadora, lançando o nosso olhar para um futuro em contínuo questionamento e celebração das artes que nos transportará até à próxima edição do GUIdance, que regressará a nós de 6 a 15 de fevereiro de 2025.
 

Periodicidade Diária

quinta-feira, 25 de abril de 2024 – 08:33:36

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...